14 de jun de 2009

A Proibição da Bíblia pela Igreja Católica - uma fraude protestante

Durante um debate numa comunidade do Orkut, apareceu uma acusação comum feita pelos protestantes: que a Igreja proibiu a leitura da Bíblia. Pensando eu que se tratava novamente de acusações levianas e más interpretações de decisões conciliares e papais que sempre protegeram a pureza das Sagradas Escrituras e sua correta interpretação, não dei muita atenção ao fato. Foi aí que, para minha surpresa, o protestante em questão apresentou um documento, trazendo inclusive a fonte, que provaria a tal proibição. O texto apresentado é este:

(...) Convocou três bispos, dos mais sábios, e lhes confiou a missão de estudarem com cuidado o problema e apresentarem as sugestões cabíveis. Ao final dos estudos, aqueles bispos apresentaram ao papa (Júlio III) um documento intitulado: "Direções Concernentes Aos Métodos Adequados A Fortificar A Igreja De Roma".

Tal documento está arquivado na Biblioteca Imperial de Paris, fólio B, número 1088, vol. 2, p. 641 a 650.

O trecho final desse ofício é o seguinte: “Finalmente (de todos os conselhos que bem nos pareceu dar a Vossa Santidade, deixamos para o fim o mais necessário), nisto Vossa Santidade deve pôr toda a atenção e cuidado de permitir o menos que seja possível a leitura do Evangelho, especialmente na língua vulgar, em todos os países sob vossa jurisdição. O pouco dele que se costuma ler na Missa, deve ser o suficiente; mais do que isso não devia ser permitido a ninguém. Enquanto os homens estiverem satisfeitos com esse pouco, os interesses de Vossa Santidade prosperarão, mas quando eles desejarem mais, tais interesses declinarão. Em suma, aquele livro (a Bíblia) mais do que qualquer outro tem levantado contra nós esses torvelinhos e tempestades, dos quais meramente escapamos de ser totalmente destruídos. De fato, se alguém o examinar cuidadosamente, logo descobrirá o desacordo, e verá que a nossa doutrina é muitas vezes diferente da doutrina dele, e em outras até contrária a ele; o que se o povo souber, não deixará de clamar contra nós, e seremos objetos de escárnio e ódio geral. Portanto, é necessário tirar esse livro das vistas do povo, mas com grande cuidado, para não provocar tumultos."

Bolonie, 20 Octobis 1553

Vicentius De Durtantibus, Egidus Falceta, Gerardus Busdragus. 


Pesquisando na internet, encontrei vários sites protestantes – inclusive, um deles informa que há 22 sites em português com este mesmo texto – que o apresentam como um troféu.

Vamos pela análise lógica do documento. Como pode três bispos “dos mais sábios”, aos quais foi recomendado um estudo e propostas contra o protestantismo, apresentarem uma carta ao Papa dando razão à heresia protestante sem serem, ao menos, repreendidos pelo Santo Padre? Muita incoerência! Além disso, o Papa deixaria um documento desta relevância à mercê dos inimigos da Igreja para poderem acusá-la?

Vamos nos focar agora no documento: o documento existe, está na Biblioteca Nacional da França. Para não restar dúvidas, deixo minhas opiniões de lado e transcrevo apenas o que a Biblioteca responde por e-mail (em inglês, a tradução é minha) a quem procura informações sobre o documento:

O texto que você procura é uma sátira do papado publicada em 1553 sob o título “Consilium quorundam episcoporum Bononiae congregatorum quod de ratione stabiliendae Romanae Ecclesiae Iulio PM datum est”.

Foi escrito por Pietro Paolo Vergerio (1498-1565), que foi bispo de Modrusch e depois de Capo d'Istria, antes de passar à Reforma em 1549. Coloca em cena, três bispos que aconselham ao Papa Júlio III sobre a forma de restabelecer a autoridade papal. Entre outras coisas, eles sugerem a introdução de novas cerimônias faustuosas e a destruição das Bíblias em língua vernácula.

Três diferentes edições foram microfilmadas e você pode pedir uma cópia das mesmas através do Departamento de Reprodução da Bibliothèque Nationale de France. Veja todos os pormenores em nosso site: <http://www.bnf.fr>. Pelo menu suspenso, selecione: La Bibliothèque> Services au public> Commander une reproduction de documents.

Aqui estão as referências completas sobre o texto:
O texto em latim foi publicado por E. Brown em 1690: GRATIUS, Ortuin de Graes, dit. – Fasciculus rerum expedentarum et fugiendarum… Opera et studi Edwardi Brown,…- Londoni: 1690. Assinado: “Vincentius de Durantibus, episc. Thermularum Brixiensis; Egidius Falceta, episc. Caprulanus; Gerhardus Busdragus, episc. Thessalonicensis.” Código ("cote" em francês): [B 341 2, código anterior: [B 103 8

Este texto é largamente atribuído à P.P. Vergerio e pode ser encontrado no primeiro volume das suas obras completas publicado em 1563. A edição Gratius inclui o texto "Consilium quorundam episcoporum Bononiae congregatorum..." por Pietro Paolo Vergerio. Em microfichas (10 páginas correspondentes às páginas 641-650). Microfilme código: m. 5528

A tradução francesa, publicada em 1564: Vergerio, Pietro Paolo. – Le Conseil des trois évêsques sur la détermination du Concile général de Trente, envoyé au Pape Paul troisième et trouvé en son palais après sa mort… (Assinado: Robert Vuacop, Thomas Stella, Theodore Marcel.) Código: [B 5445 4 Microfilme código: m. 5527 (em particular os dois lados da folha C2).

Algumas passagens alteradas a partir da tradução francesa: "Consultation de trois évêques sur les moyens de soutenir l’Eglise romaine présentés au pape Jules III" em 1553, publicado em 1884 por Paul Besson. Código: [8° H parte 329 Microfilme código: m. 5526 (em especial, p. 9-10).
Atenciosamente,

Pour le SINDBAD
Françoise Simeray
Départment Philosophie, histoire, sciences de l’homme
Bibliothèque Nationale de France

A última página do documento disponível na Biblioteca Nacional da França exclui qualquer dúvida definitivamente:

“Embora apenas parcialmente consagrado à leitura da Bíblia, o texto de Vergerio tem sido utilizado frequentemente nas controvérsias entre protestantes e católicos sobre este assunto, mesmo após a crítica feita por numerosos teólogos (consultar a tese de teologia protestante de A. Ch. Siegfried – A Vida e a obra de P. P. Vergerio, Strasbourg, 1857 – in-8°, p. 39).
Estes estudos revelam que P. P. Vergerio é verdadeiramente o autor de Consilium quorundam episcoporum..., cujo texto figura em suas obras completas publicadas em 1563.
Este texto é parte de seus numerosos opúsculos publicados anonimamente durante sua violenta polêmica com o papado. É impossível admitir que “Consilium quorundam episcoporum...” emane de qualquer autoridade da Igreja Católica.” (A tradução é minha)

O texto apresentado nos sites protestantes é apenas uma parte da obra de Pietro Paolo Vergerio usado para confundir os católicos.
 Pietro Paolo Vergerio (1498 - 1565) 
                                               

Como se vê, o texto comprovadamente é uma fraude, assim como muitas outras que surgiram no período da Revolta protestante, onde se afirmam calúnias que até hoje se divulga. Os Testemunhas de Jeová andaram por muito tempo com este texto nas mãos, confundindo os católicos de todas as partes do mundo, publicando-os em suas revistas e artigos. Agora, este texto é difundido pela internet sem a menor preocupação com a Verdade, senão com a verdade religiosa, ao menos com a verdade histórica. Pecam descaradamente contra o oitavo mandamento, levantando falsos testemunhos atrás de falsos testemunhos. Quem é o pai da mentira, cujos mentirosos são filhos? O texto em questão existe e é verdadeiro, mas é verdadeiro por ser uma tentativa de forjar uma decisão papal sobre a leitura da bíblia. O texto é verdadeiro. A interpretação é falsa.

Este documento está disponível ao público no site da Biblioteca Nacional da França. Pra visualizá-lo na versão francesa, clique aqui.

Uma observação final: fiz esta pesquisa em meados de 2008 e a enviei por e-mail a alguns sites protestantes que continham o referido texto. Apenas o site da CACP retirou o artigo – ao menos não o encontrei mais, nem no link que tinha, nem buscando no site. Bom, se cada vez que alguém enviar um texto rebatendo todas as mentiras que este site traz sobre o catolicismo e honestamente, como foi nesse caso, os artigos foram retirados, o site acaba.

Referências:

A Proibição da Bíblia e os Três Bispos. Disponível em: <http://caiafarsa.wordpress.com/a-proibicao-da-biblia-e-os-tres-bispos/>. Acesso em: 18 de maio de 2008.

LEBLANC, Michel. Canular fondamentaliste: Un document décourageant la lecture de la bible à l’époque du Pape Jules III?. Disponível em: <http://v.i.v.free.fr/pvkto/canular-julesIII.html>. Acesso em 24 de maio de 2008.

Roma e la bibbia – Documento Storico al tempo della Riforma. Disponível em: <http://www.infotdgeova.it/roma.htm>. Acesso em 20 de maio de 2008.



2 comentários:

  1. Você afirma: o texto é verdadeiro. A interpretação é falsa.

    Qual a interpretação para essa passagem?

    O pouco dele que se costuma ler na Missa, deve ser o suficiente; mais do que isso não devia ser permitido a ninguém.

    ResponderExcluir
  2. Caro, Joacélio. Primeiramente, obrigado por comentar. Sim, o texto é verdadeiro, foi elaborado por Pietro Paolo Vergerio e não por uma pretensa comissão nomeada pelo Papa. Quem o usa para acusar a Igreja esquece de mencionar que não foi produzido pelos bispos da Igreja e sim por um protestante para este fim. A interpretação da passagem em questão é inútil, posto que tais palavras não partiram de nenhum bispo católico e sim por um acusador da Igreja.

    ResponderExcluir