27 de nov de 2011

1º Domingo do Advento - Vigiai!

A Boa Notícia de Jesus Cristo

Marcos 13, 33-37

“Ficai de sobreaviso, vigiai; porque não sabeis quando será o tempo.” (Mc 13,33)

Ainda que saibamos que Jesus voltará, não sabemos a data, mas temos certeza que iremos nos encontrar diante do tribunal de Deus assim que morrermos. E ali, Jesus Cristo, Supremo Juiz, definirá nosso destino eterno: salvação ou condenação. Não podemos deixar pra amanhã nossa conversão, fazer a vontade de Deus e a prática de boas obras.
.Mesmo que gozemos de boa saúde, sejamos jovens ou crianças, não imaginemos que temos tempo, adiando dia após dia nossa conversão, pois não sabemos que hora a morte pode nos visitar. Não temamos a morte que é inevitável, mas temamos o pecado que pode nos condenar ao sofrimento eterno.
.
Se vivermos na graça de Deus, perseverantes na fé, nada tememos, nem a vinda do Senhor, nem nossa morte, pois encontraremos Aquele que amamos e no amor não há temor. Mas o que vemos é um descaso com Deus, cada um vivendo como bem entende e se é verdade que Deus é amor, também é verdade que é justiça.

20 de nov de 2011

Festa de Cristo Rei do Universo

A Boa Notícia de Jesus Cristo

Mateus 25, 31-46

“Responderá o Rei: Em verdade eu vos declaro: todas as vezes que fizestes isto a um destes meus irmãos mais pequeninos foi a mim mesmo que o fizestes” (Mt 25, 40)

O Reino de Deus foi inaugurado com a vinda de Jesus Cristo e continua na Igreja por Ele fundada. Aonde a Igreja chega, chega o Reino e Jesus reina nas almas purificadas pelo batismo, naqueles que estão na graça de Deus. E a lei deste Reino é o amor. O indivisível amor a Deus e ao próximo é o sinal da presença do Reinado de Jesus. Ele mesmo deu-nos o exemplo: sendo Rei veio para servir e continua vindo humildemente em cada eucaristia celebrada. Assim como, pelo batismo, participamos do ministério régio de Cristo, sejamos servidores dos nossos irmãos mais necessitados. E quando Jesus voltar e implantar definitivamente seu Reino, seremos todos julgados. Na parábola, Jesus se dirige a Sua Igreja, pois os de fora já estão condenados. Julgará não somente nossa fé, mas também nossas obras.

O motivo da condenação de Jesus era verdadeiro: Ele é o rei dos judeus. Mas não aquele rei-messias que os judeus esperavam, que libertaria Israel da dominação romana. Para quem assistia a crucificação, lá pendia um rei derrotado, inerte, que é desafiado pelos sacerdotes, pelo povo, pelos soldados a se salvar. Um de seus companheiros de suplício pedia-lhe que se salvasse e que salvasse a eles também. Mas era exatamente isto que Jesus fazia. Ele reinava a partir da cruz, vencia o verdadeiro inimigo, o demônio. O bom ladrão conseguiu perceber isto, que Jesus era Rei, mas que Seu Reino não era deste mundo e que a Sua arma era o amor até o fim e não a espada. Jesus reina. Ele venceu a cruz, ressuscitou. Infelizmente poucos creram e crêem para que Jesus reine em suas vidas.


13 de nov de 2011

Parábola dos Talentos

A Boa Notícia de Jesus Cristo

Mateus 25, 14-30

“A um deu cinco talentos; a outro dois; e a outro um, segundo a capacidade de cada um. Depois partiu.” (Mt 25, 15)

O Senhor Jesus reparte Seus dons entre Seus servos para que eles os façam produzir. Sabe da capacidade, das limitações e fraquezas de cada um de nós e nunca exige mais do que podemos. O que nos atrapalha, como na parábola, é o medo. Hoje, temos medo de amar, somos egoístas, juntamos apenas para nós e não somente bens materiais. Não somos donos de nada, nem do nosso corpo, nem de nossa vida. Somos meros administradores dos bens de Deus. A fé somente não nos basta. Tem que vir acompanhada de obras e para realizá-las é que Deus nos capacita. Na Sua volta – ou quando nós formos ao Seu encontro – teremos algo para apresentar? Será que estamos produzindo algum fruto de penitência, justiça, caridade para apresentar ao Senhor ou tememos perder o que temos e nos agarramos às coisas passageiras desta vida e esquecemos nossos bens eternos?



6 de nov de 2011

Solenidade de Todos os Santos

A Boa Notícia de Jesus Cristo

Mateus 5, 1-12

Neste domingo, comemoramos o dia de todos os santos aqueles que foram fiéis a Jesus Cristo. Lemos no evangelho de hoje as bem-aventuranças, a “receita” de santidade que Jesus nos deu. Olhemos para os santos que a Igreja nos apresenta como modelos e obras-primas de Deus para que possamos imitá-los em nossa vida cristã. Neste dia, não honramos apenas os santos canonizados, mas todos aqueles anônimos que estão nos céus. O mundo de hoje não quer ouvir falar em santidade, que demanda sacrifício, renúncia de si próprio, entrega total a Providência Divina. Uma vida mais confortável, o imediatismo, o prazer desenfreado, fez com que o céu se tornasse desinteressante. A humanidade quer o céu aqui e agora. Abramos os nossos corações corajosamente a Jesus Cristo. Desejemos somente Ele, nosso Sumo Bem. Abandonemos o pecado e olhemos para os santos de Deus. “Se eles puderam, por que não podemos também?”

Fazemos nestes dias memória de todos aqueles que morreram na graça de Deus, tanto os que estão em Sua glória, os santos, quanto os que, ainda que salvos, estão em estado de purificação, pagando as penas temporais que não puderam ou não tiveram a oportunidade de pagar na terra. Comemoramos todos os santos, que foram fiéis a Cristo e que, no céu, não cessam de orar por nós. De nossa parte, ofereçamos a Deus nossas orações por nossos irmãos que padecem no purgatório, para que sejam purificados e adentrem a presença de Deus. Fazemos parte do mesmo Corpo místico de Cristo, estamos em comunhão, no amor que não acaba com a morte. A morte não tem a última palavra para os que crêem em Cristo. Nosso fim último é a ressurreição.