14 de fev de 2015

Marchinhas de Carnaval em suas novas versões politicamente corretas

Atenção! Os censores do politicamente correto estão de olho nas marchinhas carnavalescas:

Olha a cabeleira do Zezé

"Olha a cabeleira do Zezé. Será que ele é? Será que ele é?"

Agora, nova versão da letra:

"Olha a cabeleira dx Zezé. Ele é o que elx quiser. Já que Zezé é livre para escolher seu gênero, sem determinismos biológicos ou imposições sociais que definem que cabelo comprido é coisa de mulher e cabelo curto é coisa de homem."

(Atenção para o "x" substituindo o artigo masculino e demonstrando a neutralidade do gênero)

"Será que ele é bossa nova?"

Nova versão da letra:

"Zezé jamais será bossa nova ou jovem guarda, movimentos musicais elitistas e alienados da situação político-social do Brasil nas décadas de 1960-1970 cujas letras não denunciavam a ditadura militar que assolava o país e traiam o país servindo à ritmos estadunidenses e vendendo-se para o cenário musical ianque."

"Será que ele é Maomé?"

Nova versão da letra:

"Zezé pode ser Maomé, pois vivemos num Estado laico e não pode ser vítima de islamofobia ao ser confundido com uma minoria radical que deturpa a religião islâmica, religião de paz e amor."

"Parece que é transviado. Mas isso eu não sei se ele é"

Nova versão da letra:

"Zezé pode parecer o que quiser, ninguém é fiscal de cu. Feliciano e Bolsonaro não me representam. Vamos queimar a casa do Levy Fidelix."

Maria sapatão

"Maria sapatão, sapatão, sapatão. De dia é Maria, de noite é João". Agora, nova versão da letra:

"Maria lésbica, lésbica, lésbica. De dia sua constituição físico-biológica é feminina, mas à noite, ou em qualquer outro período do dia, ela escolhe o gênero que quiser, pois tem o direito de se livrar das amarras desta sociedade patriarcal de tradição judaico-cristã, opressora e sexista, que impõe socialmente seu gênero aos seres humanos."

Um pouco difícil de adaptar as letras à melodia.



Nenhum comentário:

Postar um comentário